Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Paysandu renasce em 2019 para um novo ciclo

Carlos Ferreira

Um Papão que renasce hoje para novo ciclo

Orçamento apertado e time transformado. Ao entrar em campo, hoje, para enfrentar o São Francisco, a nova versão do Paysandu vai ter o primeiro contato com a torcida no começo de um novo ciclo, 60 dias depois do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. A noite promete agitar os corações bicolores, que precisam estar prontos para qualquer tipo de emoção.

Por não ter sido testado em qualquer amistoso, o time alviceleste ressurge transmitindo tanta apreensão quanto esperança, com apenas 20 dias de atividades. O que o Papão/2019 tem de mais promissor para hoje é o entusiasmo. Assim, precisa se impor diante do sempre perigoso Leão santareno, que está armado para provocar e aproveitar erros do sistema defensivo bicolor. 



No Parazão, Remo não vence em Santarém há nove anos

Em 2010, o Remo aplicou 2 x 1 no São Raimundo em Santarém, com gols de Marlon e Marciano. Filho marcou para o time santareno. Desde então, o Leão Azul fez onze jogos em Santarém pelo campeonato estadual, com seis derrotas e cinco empates. Nove anos em jejum! Foram três derrotas para o São Francisco, duas para o São Raimundo e uma para o Tapajós, além de três empates com o São Francisco e três com o São Raimundo. O jejum só não é completo porque em 2013 o Remo ganhou um amistoso contra o São Francisco: 1 x 0, gol de Val Barreto.

Aparentemente, o Remo começa a temporada mais arrumado que o São Raimundo. Quebrar esse jejum seria uma excelente credencial para o time de João Nasser Neto. Isso dá uma importância a mais para o jogo de sábado. 


BAIXINHAS 

* Pelas circunstâncias, cabe à torcida do Papão incentivar mais do que cobrar. É jogo para impressões. Seja qual for o rendimento coletivo ou individual, será bem abaixo do potencial. O que não pode faltar hoje é suor. Na primeira impressão, o que a torcida mais quer ver é um time com raça, que verdadeiramente honre a camisa. 

* Transferências internacionais provocam desfalques nos dois times para jogo de hoje. O Paysandu ficou sem o meia Thiago Primão, que ainda está se desligando do Riga FC da Letônia. O São Francisco está sem o atacante Jeferson Monte Alegre, cuja documentação vem do Makedonija da Macedônia. Outro caso é do remista David Batista, que veio do Al-Mojzel da Arábia Saudita, que dificilmente ficará apto para jogar sábado.

* Nícolas, 29 anos, um dos estreantes do Papão, está no seu 15º clube, mas só jogou em clubes secundários do sul, além do Gama/DF, Évian da França e Austria Wien. Ano passado, o meia Nícolas fez 12 jogos e três gols pelo Caxias, 19 jogos e um gol pelo Criciúma. Ele é cotado como uma das contratações mais importantes nesse novo elenco bicolor.

* Avaliação preliminar da lesão do zagueiro azulino Fredson, no joelho, indica que ele deve ficar um mês em tratamento médico. O atleta vai ser melhor avaliado após os primeiros resultados do tratamento. Fredson começaria o campeonato na reserva. Afinal, Mimica e Rafael Jansen formam a dupla titular na zaga. Keven vai compor o banco em Santarém. Outro zagueiro no elenco é Fábio, recém-promovido do sub 20.

* Paragominas x Castanhal, hoje, 16 horas, na Arena Verde. O jogo abre a segunda rodada do Parazão e faz parte da programação de aniversário da cidade de Paragominas. Indicativo de casa cheia, já que a torcida está empolgada com o Jacaré pela estreia com vitória em Bragança: 2 x 1 sobre o Bragantino.

Carlos Ferreira