Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Os (poucos) destaques individuais do Parazão 2019 até aqui

Carlos Ferreira

Parazão e seus poucos destaques individuais

O lateral Michel (Paragominas) como artilheiro, o zagueiro Keven (Remo) como revelação, o volante Marcos Antônio (Paysandu) diferenciado nos recursos técnicos e o atacante Nicolas (Paysandu) são alguns dos poucos destaques do Parazão 2019. Acima deles, somente o goleiro Vinícius (Remo) que reafirma toda a competência com que foi eleito melhor jogador do futebol paraense em 2018, na consulta da coluna aos jornalistas e radialistas esportivos do Grupo Liberal.

O campeonato está devolvendo atenção ao volante Ricardo Capanema (Bragantino) e dando projeção aos meias William Fazendinha (Independente) e Alexandre (São Francisco), como também aos atacantes Gustavo Ramos (Remo) e Mariano (Tapajós). À margem do campo, entre os técnicos, está elevando a cotação de João Brigatti (Paysandu) e devolvendo prestígio a Charles Guerreiro (Independente). 

 

Marcos Antônio, contratação de oportunidade 

Quando os clubes planejam contratações, listam os visados e reservam espaço para contratações de oportunidade. São jogadores fora do radar, que surgem inesperadamente. Assim surgiu o volante alagoano Marcos Antônio para o Paysandu, voltando do Anyang, da Coreia do Sul, aos 30 anos.

Mesmo claramente acima do peso, Marcos Antônio confirmou logo nas primeiras impressões que é tecnicamente diferenciado. É o homem que põe a bola chão e pensa pelo time. Muito útil, embora deixe a desejar na marcação. 

 

BAIXINHAS

* Empresa de comunicação começam a ter perda de audiência na cobertura diária de Remo e Paysandu. Em consequência, os dois clubes já estão perdendo espaços privilegiados, que, mais cedo ou mais tarde, vai ser notado pelos patrocinadores. A causa está no excesso de restrições à imprensa, principalmente televisão, que depende do registro de imagem. 

* Felizmente, o mercado ainda tem olhar otimista para a dupla Re-Pa, a ponto de surgirem novos patrocinadores neste começo de ano. Depois da chegada da Jurunense, agora a volta da Unimed e da Cerpa. Funtelpa e Banpará são suportes mantidos não só para Leão e Papão, mas para todos os clubes do campeonato estadual. 

* Jogo contra o Independente vale pontos, vale moral e vale dinheiro. Jogando bem e ganhando do Galo Elétrico, o Remo adianta a classificação, devolve ânimo à torcida e terá reflexo nas bilheterias do Re-Pa. Isso diz bem quanto o jogo de sábado será importante.

* Empate não mudaria nada na vida do Leão. Derrota teria consequências trágicas. Para o Independente, o que motiva é o propósito de se vingar da goleada (4 x 0) que tomou dos azulinos em Tucuruí. 

* A julgar pelo treino de ontem, Vacaria e Diogo Sodré saem do time azulino para fortalecimento muscular. Meio de campo deve ter Dedeco, Djalma e Mário Sérgio, enquanto Echeverría vai para a lateral esquerda e Douglas Packer deve ser opção no banco junto com o garoto Laílson.

Carlos Ferreira