Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Japiim x Papão, jogo da afirmação

Carlos Ferrreira

       O Paysandu deixou a torcida empolgada na estreia e apreensiva no jogo seguinte. O Castanhal "negou fogo" nos dois primeiros jogos e se reabilitou no terceiro. Com esse histórico, tanto o Papão como o Japiim precisam da afirmação do potencial. Esse jogo vai dizer muito do que são capazes. 
       O Papão trata de confirmar que é time para ser campeão e para o acesso à Série B. Afinal, é cobrado para isso. O Japiim ainda busca a mínima confiança da torcida. Esse cenário passa a ideia de um jogo brigado. Mais ainda se o domingo for de chuva. 
       

Como estariam os nossos estádios sem o MP?

       Cumprindo o seu dever, desde a criação do Estatuto do Torcedor (2003), o Ministério Público Estadual tem sido rigoroso, impondo o cumprimento da lei. Assim mesmo, ainda se repetem problemas básicos nos nossos estádios, sempre resolvidos à última. A Curuzu é a exceção. Mas a realidade é que nenhum oferece condições dignas aos clientes dos clubes, os torcedores. Essa constatação nos leva a imaginar como estariam esses estádios sem a lei e o MP. Seguramente, seriam sucatas tão perigosas quanto imundas. 
       O desleixo com estádios, mesmo sob cobrança permanente do MP, traduzem bem a falta de respeito pelas pessoas ou pelo bem público (do estado e municípios) ou pelo bem privado (dos clubes). Isso é falta de seriedade!

BAIXINHAS 

* O Remo exagerou tanto no desleixo com o Baenão que há cinco anos não pode utilizá-lo em jogos oficiais. Mesmo antes da destruição parcial deixada pelo então presidente Zeca Pirão, o estádio azulino já funcionava sob restrições desde o surgimento do Estatuto do Torcedor. Mentalidade sucateada, clube sucateado!

* Goleiro Iago Sales é o destaque do Japiim. Paulista, 22 anos, 1,93m, ele é fruto da Portuguesa de Desportos. Ano passado foi reserva de Roger Kath. Como mostrou potencial, foi trazido de volta para ser tititular e está justificando. 

* Como Remo e Paysandu poderiam participar da Segundinha com os times sub 23? Os dois clubes manifestaram essa intenção em conversas do colunista com os presidentes Fábio Bentes e Ricardo Gluck Paul. A ideia era a simples participação, sem disputa de acesso, como fazem Real Madrid B e Barcelona B na 2a Divisão da Espanha.

* Na última quinta-feira, Fábio Bentes ficou de consultar a FPF sobre a viabilidade. A participação seria uma simples questão de regulamento do campeonato ou Leão e Papão teriam que instituir filiais? O fato é que se der certo a Segundinha será enriquecida e os dois clubes terão revelações. 

* Provavelmente, a Segundinha/2019 será paralela à Copa Verde. Clubes e FPF ainda vivem a expectativa da confirmação da CV pela CBF. As negociações de patrocínio da competição fluem (ou não) em completo sigilo. O "sim" ou "não" da CBF sibre Copa Verde deve sair até julho.

Carlos Ferreira