Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Fisiologista garante que Remo volta ao condicionamento físico normal no sábado

Carlos Ferreira

Fisiologista garante: "Remo volta ao normal no sábado"

Ouvido pelo colunista, o fiologista Erick Cavalcanti assegurou que o pífio rendimento do time azulino em Santarém "foi pontual", por problemas ocorridos com alguns jogadores na semana do jogo e pela maior intensidade do novo modelo de jogo. Erick disse: "Pode escrever aí. Eu garanto que o rendimento volta ao normal no próximo jogo", sábado, contra o Independente. O preparador físico Luis André Ferreira tem manifestado leitura diferente do que viu em Santarém, dizendo-se assustado. 

O fato é que o Remo está em transição tática e física. A adaptação deve dar ascensão técnica. Sorte dos azulinos que o time está praticamente classificado. Assim, o jogo de sábado vai dizer muito sobre as possibilidades  do Remo na reta final do campeonato. 

 

Papão assume que é  um time reativo

João Neto disse que o Remo dava a bola pro adversário e jogava reativamente. Virou alvo de chacotas por isso. Com outras palavras, João Brigatti diz quase a mesma coisa, sobre o Paysandu, assumindo que o time é reativo. Atrai o adversário, marca forte e  contra-ataca, objetivamente. "Assim é o nosso modelo de jogo", arremata o técnico bicolor.  Brigatti, claro, é aplaudido pelo que diz, porque tem resultados que o credenciam.

Insisto que esse time do Paysandu precisa ser melhor testado. Mas é inegável que evolui bem na sua identidade tática e vai convencendo a torcida de que é promissor, não só para a conquista do título estadual, mas, especialmente, para a Série C na missão do acesso. 

 

BAIXINHAS

* Leão reativando as sessões regulares de coaching, tal como na fase da reação na Série C. O nome da profissional que vai fazer o trabalho ainda não foi revelado. No Papão, o coach Kotaro Tuji faz o treinamento mental. O Remo tem ainda os serviços do psicólogo Jairo Vasconcelos. 

* Mota está perto dos 500 minutos sem tomar gol. No domingo o Papão vai enfrentar o pior ataque do campeonato. O Castanhal fez apenas dois gols em sete jogos. Mota está em estado de graça pela sequência de jogos sem ser "vazado". É um goleiro com limitações técnicas, mas muito arrojado. 

* Como vão passar por treinos de força,  Vacaria, Diogo Sodré e Echeverría devem ficar fora do jogo de sábado. É que a musculação, nesse nível de recuperação da força, trava o atleta a curto prazo. Estarão prontos, porém, para o Re-Pa. 

* Neste Parazão ninguém bate melhor na bola que o maranhense Michel, 29 anos, lateral do Paragominas. Com bola rolando ele está na média, mas nas faltas e escanteios ele faz a diferença. Não por acaso, está nas cogitações do Remo e já frequenta os noticiários do Paysandu. Meias Alexandre, do São Francisco, e William Fazendinha, do Independente, também chamando a atenção de azulinos e bicolores. 

* São Raimundo muito próximo do rebaixamento. O outro rebaixado deve ser São Francisco ou Castanhal. Três tradições que sofrem enquanto assistem o sucesso de clubes interioranos recentes.

Carlos Ferreira