Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Em oito jogos, Remo já testou 23 jogadores e deu adeus a três

Carlos Ferreira

Em oito jogos, Leão botou 23 jogadores em campo

Vinícius, Geovane, Djalma, Mimica, Rafael Jansen, Keven, Ronael, Thiago Félix, Echeverría - Dedeco, Robson, Diogo Sodré, Welton, Vacaria, Laílson, Wallacer, Mário Sérgio, Alex Sandro, David Batista, Emerson Carioca, Gustavo Ramos, Henrique, Samuel. Um total excessivo de 23 jogadores que entraram em campo pelo Leão Azul, este ano, em sete jogos do Parazão e um da Copa do Brasil, escalados por dois técnicos: João Neto e Márcio Fernandes.

Em transição do modelo de jogo reativo para o propositivo, o time azulino provoca questionamentos sobre estágio física, qualidade técnica e organização tática. Ao mesmo tempo, investe em treinamento mental para sair da instabilidade emocional. E tudo isso estará à prova amanhã no difícil jogo contra o Independente, no Mangueirão, com a obrigação de vencer para reagir e a necessidade de reagir para vencer.

 

Conforto do Papão x angústia do Japiim

A manhã de domingo, na Curuzu, vai ter o conforto do Paysandu, que “surfa” neste campeonato, e a angústia do Castanhal, pelo risco de rebaixamento. Enquanto o Papão trata de reafirmar a sua consistência, o Japiim deve se superar para tornar-se consistente e beliscar pelo menos um ponto.

Todos os referenciais de análise para esse jogo reforçam a ideia de favoritismo do Papão. Ao Japiim cabe surpreender, a começar pela quebra de jejum. Afinal, não faz gol há 331 minutos. O último foi de Abuda, de pênalti, aos 29 minutos do 1º tempo (4ª rodada), na única vitória da equipe: 1 x 0 sobre o São Raimundo.

 

BAIXINHAS 

* O gol de Arian Taperassu, do Bragantino, na 2ª rodada, aos 44 do 1º tempo, foi último tomado pelo Paysandu no campeonato. Desde então, já são 530 minutos em cinco jogos e meio que o goleiro Mota não é “vazado”. O Papão vai ampliar essa marca ou o Japiim vai quebrar o seu jejum de gols?    

* Tapajós x São Francisco, amanhã, mesmo em “clima de velório”, vai ser o jogo mais quente da rodada, ambos em luta contra o rebaixamento. Também amanhã, duelo por classificação entre Paragominas x Águia.

* Domingo, São Raimundo em desespero, muito próximo da queda, contra o Bragantino que disputa classificação. Situações semelhantes no conforto do Papão e angústia do Japiim. Remo x Independente, ambos praticamente classificados.  

* Jogadores que o Papão utilizou no Parazão: Mota, Bruno Oliveira, Fábio Alemão, William, Vitor Oliveira, Micael, Bruno Colasso, Diego, Caíque Oliveira, Marcos Antônio, Jhony Douglas,Thiago Primão, Leandro Lima, Alan Calbergue, Elielton, Caion, Paulo Rangel, Vinícius Leite, Nicolas e Paulo Henrique.

* Com a bagagem que tem, Nelinho foi muito humilde dizendo em gravação para a versão digital desta coluna (oliberal.com) que tomou um "passeio" do Júlio César Uri Geller no jogo Remo 4 x 0 Cruzeiro, em 1977. E Júlio César muito elegante ao evitar falar sobre o fato, em respeito ao amigo. Júlio, porém, prometeu  outra história em breve na nossa DELAÇÃO PREMIADA.

Carlos Ferreira