Bel Soares

Comunicóloga por formação, comentarista de futebol por paixão! Já atuou como repórter de campo no radialismo esportivo e agora é na web que faz suas resenhas e análises futebolísticas. Sou mulher, amo futebol, mas não vou te explicar a regra do impedimento! Instagram: @falabelsoares E-mail: belmsoares@hotmail.com

Rica Perrone: 'Eu desconheço a parte da minha vida em que o futebol não estivesse presente'

Bel Soares

O jornalista esportivo “queridinho da internet” e um dos maiores influenciadores digitais do Twitter no país, Rica Perrone, declara: “Eu desconheço a parte da minha vida em que o futebol não estivesse presente”.

Nascido em São Paulo e são-paulino desde sempre, batemos um papo sobre futebol, redes sociais e, claro, o tricolor paulista, mas a resenha foi em pleno Rio de Janeiro, onde Rica reside (apesar de ter um espírito nômade, conforme me contou).

 

Vamos começar falando sobre sua paixão pelo São Paulo? (tática para arrancar um sorriso dele rs).

Vamos (risos). Venho de uma família, materna e paterna, toda são-paulina, na porta do meu quarto na maternidade tinha um santinho do São Paulo, minha primeira roupinha foi o uniforme do São Paulo, a primeira vez que fui ao Morumbi, no colo da minha mãe,  eu tinha 3 meses e meu berçário, durante a pré-escola, era dentro do clube a 10 passos do estádio. Então, sou são-paulino desde sempre, algo inegociável.

 

Porque não temos Rica Perrone entre nossos jornalistas esportivos da TV?

Eu não fiz faculdade de jornalismo porque gostava de jornalismo, eu usei o jornalismo pra estar perto do futebol. Com 17 anos, ainda não estava na faculdade, e a paixão pelo futebol me fez criar uma produção esportiva direcionada a repórter dentro da minha casa, coletando informações da minha coleção de revista Placar e transformando isso numa espécie de “dossiê” sobre times que disputariam uma partida. Eu formatava no computador, imprimia e levava até um repórter esportivo sem ganhar um real. Na vigésima rodada que fiz isso, o diretor de um veiculo de comunicação me chamou, elogiou meu trabalho e eu disse “me contrata”, mas com dois dias eu pedi demissão porque percebi que não queria trabalhar na mídia comum. Daí na mesma ocasião, conheci a internet discada e ela tinha tudo que eu queria: foto, vídeo, áudio e pensei: “Isso vai engolir a televisão”...daí foi um pulo pra eu ser o pioneiro em transformar  coluna em blog.

 

Você é um visionário...

Detesto fazer auto propaganda, acho feio, mas sou um cara visionário sim, minha vida profissional se resumiu e resume a fazer algo 10 anos antes de acontecer...

 

Pensou em ser jogador de futebol?

Em algum momento da vida acho que todo homem, lá nos seus 10 anos de idade, já pensou em ser um jogador de futebol e comigo não foi diferente. É engraçado que até nas brincadeiras costumávamos gritar os nomes dos ídolos, tipo: se defendíamos uma bola, gritávamos “Zetti” (risos). A referência do homem, na maioria das vezes, vem do futebol.

 

E qual jogador de futebol o Rica Perrone queria ter sido?

Quando eu era menino queria ser o Careca, ídolo do São Paulo, mas hoje eu queria ter sido o Renato Gaúcho, ele é SENSACIONAL, não sei se pela qualidade, pela marra ou pela mulherada....o pacote todo da vida dele é maravilhoso (risos).

As pessoas se conectam com você porque é diferente a forma como você escreve sobre futebol, é outro ângulo...

É que eu escrevo sobre o comportamento humano no futebol, é difícil eu escrever sobre o jogo tecnicamente ou taticamente...

 

Você fala o que pensa, te admiro...

Obrigado...quando se ganha mais notoriedade, fala-se mais o que pensa. Porém, falar o que pensa não significa falar qualquer coisa, falar o que pensa é falar sua opinião com base em argumentos que você tenha e possa provar...defender a verdade sempre...

 

Redes Sociais...

Se eu tivesse a grana que o Felipe Neto ganhou quando vendeu a empresa dele, passaria longe das redes sociais (risos)... sabe o que é, tô meio de saco cheio...nas redes sociais, todo mundo virou especialista em tudo e as pessoas escolhem gostar de você ou te odiar por motivos muito banais ou até mesmo, na maioria das vezes, sem motivo, uma espécie de ódio gratuito.

A verdade é que a rede social dá a possibilidade da reação em massa e de imediato contra ou a favor daquilo que você defende, até aí tudo bem, o problema é quando a reação vem  acompanhada de calúnia ou ódio...haja Fake News...

 

No entanto, apesar da legião de seguidores e fãs, você anda pensando em parar de escrever sobre futebol...porque?

Não vou parar, vou diminuir...quem faz a historia é maior do que quem conta então porque não fazer história também? Com o projeto “A última chance” tenho essa possibilidade, sem contar que o projeto faz meus olhos brilharem e sou um cara intuitivo, preciso de tesão pra fazer algo...

 

Conta um pouco do projeto...

É uma peneira entre talentos renegados e olha: tem muito talento renegado jogando muito melhor que jogador de futebol atuante em time grande...

A ideia é dar a volta no país com esse projeto e poder, quem sabe, ser a vitrine que essa rapaziada precisa e merece.

Bora uma rapidinha com alguns nomes que selecionei...

 

Dudu...

Gosto muito, não acho ele um craque, mas gosto...porém, entendi quando ele não foi escalado  pra seleção e toda repercussão em cima disso...

 

Ewerton Cebolinha...

Craque e um cara correto, ele ganhou a Copa América, se reapresentou no Grêmio, tava sondado por outros times e não tirou o pé de uma dividida...coisa de homem mesmo...

 

Arrascaeta...

Joga bem, mas ao contrário da atitude do Ewerton Cebolinha, eu não gostei do que ele fez nem com Nacional, nem no Cruzeiro...eu não confio em jogador que faz isso, porque enquanto tiver quem compra vai continuar fazendo...vai fazer com o Flamengo, anota aí...

 

Bruno Henrique...

A historia dele tem tudo a ver com o projeto “A última chance” porque foi um cara que começou a jogar bola com 21 anos...é um jogador muito bom para o futebol atual, reitera isso “para o futebol atual”...deu pra entender?

 

Fred (não fala mal dele por favor rs...)

Ídolo...ídolo e ídolo...é líder, é decisivo, tem carisma, é um cara transparente, fala o que pensa e torce para o Fluminense que eu sei (risos)...

 

E será que ele volta para o Fluminense?

Volta...deve jogar uns 5 jogos e encerra carreira (risos)...

 

Gabigol...

Joga bem, mas é 60% marketing e 40% jogador...não acho que vale esse mais de 1 milhão que leva do Flamengo. O torcedor brasileiro já achou um absurdo o Fred ganhar 700 mil e não achaum  absurdo o Gabigol ganhar 1 milhão e meio, sendo que Fred, em sua melhor fase, foi muito melhor que o Gabigol...

 

Paulo Henrique Ganso...

Já fui muito fã dele e depois passei a achar que ele é um Alexandre Pato, um cara que não se importa muito com o futebol...

 

Mas será que não é o que ele tem pra oferecer a nível de futebol?

Não, eu acho que ele não se importa mesmo. Tá ali porque sabe que o mínimo que joga é o suficiente pra levar seus 200 ou 300 mil reais por mês porque ainda tem gente que contrata, como foi o Fluminense, mas não tem compromisso competitivo, não tem ambição de ganhar, de ser o melhor, nada disso...um jogador de talento, mas acomodado....se quiser joga muito, mas falta tesão, brilho nos olhos...

 

E o meu Fluminense???

Não se preocupa que não será rebaixado...

 

E o Flamengo?

Tem o melhor time do Brasil, da Libertadores...investiu pra isso né? Tem vários jogadores de seleção, isso é muita coisa...

 

Você é a favor desse tipo de investimento milionário?

Não...na minha opinião, o time deveria contratar 2 ou 3 jogadores consagrados pra chamar torcida e o resto mesclaria com meninos da base e assim fomentava o futebol. Quando um time faz o que o Flamengo fez a nível de contratação, a cobrança é um inferno com um monte de jogador de barriga cheia e o clube ainda perde todo dinheiro que investiu na base...analisa: nos últimos 5 anos de investimentos do Flamengo quem foram os jogadores que mais brilharam por lá?!? Paquetá, Vinícius Junior e Vizeu, todos 3 vieram da Base...

 

Na opinião de Rica Perrone, o melhor treinador em atividade no Brasileirão é...

Renato...mas, não tenho certeza se fora de um clube onde ele é “Deus”, como é no caso do Grêmio, ele é o mesmo cara...mas eu sei que, na minha opinião, o Fluminense nunca foi tão grande quanto no período que esteve sob o comando do Renato, em especial naquela Libertadores que não ganhou, mas foi um gigante...

 

Porque alguns treinadores não dão certo e chegam até a ir embora atuar fora do Brasil?

É a máfia do futebol...tem padrinho? quem é o empresário? Não tem, fica difícil...

 

Assiste a Série B?

Não, só vou assistir quando estiver Remo e Paysandu disputando ela...

 

Por falar nisso, parece que a torcida do Paysandu não te curte muito...

É que eu falei no Twitter que o Remo é o maior do Pará...mas eu acho mesmo, Remo é clube raiz...e que fique claro que não se mede o tamanho do clube por títulos e sim como ele consegue ser tão grande quanto aquele que ganha mais títulos sem ter os títulos dele...quer um exemplo? O São Paulo tem mais títulos que o Corinthians e, no entanto, o Corinthians tem duas vezes mais importância do que o São Paulo...quem é o maior?!? Não precisa de título pra justificar isso, assim é com o Remo...

 

Me diz uns nomes que você curte no jornalismo esportivo...

Da Rede Globo o Galvão Bueno, Roger Flores...do Sportv o Raphael Rezende...

 

Quer deixar algo registrado?

Sim...tenho muita vontade de assistir um Re X Pa...

Bel Soares
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM COLUNAS E BLOGS