Último Quarto

Acadêmico cursando o último ano de jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Danilo Monteiro começou sua trajetória na área esportiva em 2016, em Belém, como repórter e comentarista na Rádio Unama. Atualmente, é estagiário na editoria de esportes do site da revista VEJA e Placar.

Falha como líder prova que ida aos Celtics foi maior erro de Irving

Danilo Monteiro

O Boston Celtics desmoronou frente ao Milwaukee Bucks. A fácil eliminação, por 4 a 1, escancarou alguns pontos que provam que a ida de Kyrie Irving ao time celta, apesar de justificável – todos os jogadores sonham em ser protagonistas de uma equipe grande -, foi o maior erro de sua carreira.

Irving teve uma das piores atuações da carreira contra os Bucks, com aproveitamentos abaixo dos 37% nos quatro jogos finais da série, inclusive, terminando o segundo jogo com apenas 9 pontos e o último com 15. O armador tem talento fora de série e é um dos jogadores capazes de colocar a bola debaixo do braço e decidir partidas importantes – como fez em 2016, marcando a cesta do título inédito do Cleveland Cavaliers.

O verdadeiro líder, entretanto, é aquele que contribui individualmente como Irving, mas também é aquele que eleva o nível de jogo de seus companheiros, como LeBron James fazia com o próprio Irving e os demais jogadores dos Cavs. Irving parece não ter tido as aulas necessárias e sequer conseguiu gerar um clima positivo no vestiário do time. Segundo o jornalista americano Jeff Goodman, do portal Stadium, um jogador dos Celtics relatou que é difícil jogar com Kyrie. “Todo mundo respeita o seu talento, mas é difícil jogar com ele. Tudo é apenas sobre ele, sempre”, comentou.

Sua chegada a Boston, na última temporada, foi muito festejada e teve bom resultado logo de cara, pois a equipe foi vice-líder no Leste, com 55 vitórias e 27 derrotas. Na reta final da temporada, porém, ele precisou passar por uma cirurgia que o deixou de fora dos playoffs. O mais provável era que o time desmoronasse, mas os Celtics se fortaleceram e foram às finais de conferência, caindo para os Cavaliers no jogo 7.

O Boston não conseguiu apresentar um bom rendimento e teve uma temporada muito abaixo do esperado neste ano, mesmo com o retorno de Irving e Gordon Hayward, recuperados de lesão. Nos playoffs, porém, seria diferente, porque, segundo Kyrie, ele estava lá. “Sou um gênio neste esporte. Jogo basquete há muito mais tempo do que algumas pessoas que fazem análises”, disse, após a única vitória celta contra os Bucks.

Depois de várias críticas dos jogadores dos Celtics durante a temporada, como Marcus Morris, que disse que a equipe ‘não está junta o suficiente’, Irving protagonizou um mea-culpa com LeBron, mostrando arrependimento pela troca de equipes, enfurecendo os companheiros de time e fãs da cidade.

“Tive que ligar para o LeBron e pedir desculpas por ser aquele jovem que queria tudo em suas mãos. A responsabilidade de ser o melhor do mundo e liderar um time não é algo para todos”, disse, uma semana antes de atirar seus companheiros mais jovens no fogo, depois de uma derrota para o Orlando Magic: os jovens do time não sabem o que é necessário para ser um time de nível campeão. Eles pensam que é difícil agora, imagina quando estivermos tentando chegar à final”.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Kyrie may have just played his last game for the Celtics. 👀

Uma publicação compartilhada por House of Highlights (@houseofhighlights) em

O derretimento do Boston Celtics, que tem um arsenal muito produtivo, jogadores com um futuro sólido na liga, um grande técnico e três all stars passa, principalmente, pela falta de liderança de Kyrie Irving. O armador agora terá a missão de decidir em qual cidade será sua próxima jornada e ela, ao que tudo indica, não deve ser em Boston.

Último Quarto