Último Quarto

Acadêmico cursando o último ano de jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Danilo Monteiro começou sua trajetória na área esportiva em 2016, em Belém, como repórter e comentarista na Rádio Unama. Atualmente, é estagiário na editoria de esportes do site da revista VEJA e Placar.

A culpa é de James Harden

Simulações do candidato a MVP causam conflitos entre os Rockets e árbitros da NBA

Danilo Monteiro

James Harden tem quase 30 pontos de média nos playoffs e cerca de 36 na temporada regular. Sua contribuição dentro de quadra é incontestável, mas a capacidade única de ludibriar a arbitragem - que o ajudou tanto durante a carreira – está prejudicando o Houston Rockets na pós-temporada.

Durante o jogo 1 da série contra o Golden State Warriors, Harden teve a posse de bola decisiva para tentar empatar a partida. Quando restavam apenas 10 segundos, o ala-armador tentou cavar uma falta em um chute de três pontos, mas não conseguiu. O lance gerou controvérsia e muitas críticas – até pessoais – contra o árbitro Scott Foster, que dirigiu o jogo. Harden já havia dito em fevereiro que Foster tinha algo contra ele.

Segundos depois da partida, surgiram as teorias da conspiração: os Rockets alegaram que os Warriors eram protegidos pela NBA, enquanto os atuais campeões ironizaram as reclamações os rivais. A teoria foi além e o time contratou uma equipe de analistas para mostrar como foram ‘roubados’ no jogo 7 da final da conferência oeste de 2018, contra o GSW.

Segundo a análise do time de Houston, os juízes erraram em 81 lances a favor do Golden State na ocasião, gerando um déficit de 18,6 pontos para a equipe de Harden, que, segundo eles, garantiu o título aos Warriors. O método dos analistas foi negado pela comissão de arbitragem da NBA. A conspiração virou lei em Houston e o time seguiu reclamando acintosamente no jogo 2, inclusive geral uma situação inusitada: quando Harden sofreu uma falta na linha de três pontos, Chris Paul comemorou, ironicamente, como se tivesse ganhado um título.

O lance do jogo 1, que causou essa avalanche de fatos contestáveis, protesta contra o próprio Houston. A regra diz que o defensor não pode tirar o espaço de aterrissagem do arremessador. Mas Harden, entretanto, se atira em direção ao defensor durante o arremesso, algo que não configura falta e, sim, simulação, que não é punida na NBA como no futebol.

A estratégia do candidato a MVP foi estudada pela ESPN, que divulgou uma análise do arremesso natural de Harden, sem marcação, e seu chute quando está marcado. A diferença é nítida. A malandragem de James Harden faz parte do livro de jogadas dos Rockets, que perdem tempo brigando com os árbitros enquanto os Warriors abrem 2 a 0 na série.

Último Quarto
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!