"Eu sou gay e isso não vai mudar em nada", diz vítima de agressão

Cabeleireiro teve o rosto desfigurado por homem que o perseguiu e perguntou se ele era “homem ou mulher”

Jackson Ruan Rodrigues dos Santos, um cabeleireiro de 23 anos, teve o rosto desfigurado após ser agredido por um homem com um copo de vidro, no bairro Novo Encontro, em Juazeiro, norte da Bahia. Ele deu uma entrevista ao Em entrevista ao G1, nesta sexta-feira (24), e contou que nunca tinha visto o suspeito e disse ter sido vítima do crime de homofobia.

Ele contou, em publicação nas redes sociais, que na noite do sábado (18), quando saiu da casa da avó, o homem o seguiu, tentou cheirá-lo e perguntou se ele era menino ou menina.

"Ele tentava me pegar e eu continuei andando sem dar atenção. Fiquei com medo. Quando ele perguntou se eu era menino ou menina, eu parei e olhei para ele. Então ele veio em cima de mim e quebrou um copo no meu rosto. Eu corri e meus familiares me socorreram. Se eu não tivesse corrido, poderia ter acontecido algo pior. Isso aconteceu a uns 40 metros da casa da minha avó, em um bairro que eu cresci, onde todos me conhecem", contou o jovem.

A suspeita da vítima é que o agressor estava em um bar, quando começou a perseguição. "Eu acho que ele estava bebendo em um bar e, quando eu passei, ele começou a me seguir com o copo na mão", disse ao G1.

"Eu não vou me esconder e nem me privar por uma coisa que eu não fiz, muito menos mudar o meu jeito de ser. Eu sou gay e isso não vai mudar em nada", destacou na rede social.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!