Avenida João Paulo II fica intrafegável após forte chuva

Alagamento crônico impossibilita fluxo de veículos e deixa moradores ilhados

João Thiago Dias

Cerca de 45 minutos de uma forte chuva, por volta das 15h às 15h45, nesta tarde de segunda-feira (15), foi o suficiente para deixar novamente intrafegável a avenida João Paulo II, entre a Alameda Osvaldo Coelho e a passagem Euvira, no bairro do Curió-Utinga, em Belém.

Por conta de um crônico alagamento neste trecho, que se forma após qualquer temporal, uma fila de condutores está tentando várias manobras para burlar o congestionamento e as dificuldades de passar pela água sem atolar ou perder a placa do veículo.

(Ivan Duarte)

Um caminhão com carga de tomate que estava indo rumo à Ceasa ficou atolado na grande poça e dificultou ainda mais o fluxo. Vários jovens moradores do bairro se jogaram na água para procurar algumas placas já perdidas, dando um suporte improvisado ao motoristas que se desesperam na hora de afundar os pneus para conseguir passar para o outro lado.

Muitos condutores que estavam em direção a São Brás mudaram de rota, cortando pelo canteiro, na contramão, na pista rumo ao Entroncamento. Outros desistiram da avenida ao perceberem que a água estava cobrindo metade dos carros mais baixos. Até um carro da Força Nacional teve problemas para passar.

Também houve uma confusão de buzinas de quem perdeu a paciência esperando sair do congestionamento. Motociclistas pararam por alguns minutos antes do alagamento para pensar se valeria a pena ou não se arriscar. E moradores da área ficaram ilhados em casa.

A professora aposentada Dulce Brito, 70, quase desistiu de visitar a irmã porque não conseguia atravessar um trecho próximo à tubulação do Curió-Utinga.

"Não sei se espero a água secar ou se vou embora. Como vou chegar lá na casa da minha irmã? Toda vez que chove acontece isso. Estou com medo até de atravessar a rua por causa dessa confusão de carros", disse.

O estudante Dimmy Rodrigues, 18, mora Há três anos no bairro e já perdeu a esperança de ver a solução do problema.

"Tinha uma obra de revitalização do canal, mas parou. Há três anos que moro aqui vejo esse mesmo problema é ninguém resolve. Trânsito fica parado por várias horas" 

MAIS ALAGAMENTOS

Vários outros bairros da capital também foram castigados pela chuva. No Marco, outro grande alagamento crônico tomou conta da pista na travessa Mauriti, entre as passagens José Leal Martins e Hortinha. Motociclistas e motoristas de carros e ônibus quase não conseguiram passar. Pedestres tiraram os sapatos para atravessar. 

Travessa Mauriti, entre as passagens José Leal Martins e Hortinha (Ivan Duarte)

Na passagem São Marcos, entre as travessas Mauriti e Barão do Triunfo, a família Alves também ficou ilhada dentro da residência dela e viu a água entrar no pátio.

Família Alves ilhada na passagem São Marcos, no Marco (Ivan Duarte)

"Inunda de uma ponta a outra da passagem. Água invade a casa de muita gente. E demora o dia todo para secar. Já deixamos de sair de casa porque não tinha como passar pela poça", contou Regiane Alves.

Rua José Marcelino de Oliveira, no Centro, em Ananindeua (Cristino Martins)

Na rua José Marcelino de Oliveira, no Centro, em Ananindeua, os carros foram quase todos cobertos pela água. Como a rua toda ficou cheia, pedestres ficaram presos na frente das casas e estabelecimentos comerciais. Outros enfrentaram a inundação, mas seguiram com as pernas molhadas pela água suja. 

Belém